Pesquisar este blog

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Pilates ajuda a combater osteoporose.


Dores nas articulações e fraturas constantes. Esses são os sintomas da osteoporose, doença silenciosa caracterizada pela perda de massa óssea e diminuição da resistência mecânica dos ossos. Dados de 2013 revelam que os riscos de quebrar um osso, por exemplo, em virtude da baixa densidade óssea, são muito maiores entre as pessoas com mais de 50 anos.
Nessa fase, a atividade física se torna fundamental para a prevenção de doenças desse tipo. E sabe qual é a modalidade mais indicada para ajudar a prevenir e estabilizar a osteoporose? O Pilates! Segundo a fisioterapeuta Aline Marbim, 30, o Pilates favorece e estimula a remodelagem óssea, através dos exercícios de tração e tensão. “Esse é o principal fator de recompensa para o idoso. Ao mesmo tempo, conseguimos a melhora no tônus, no equilíbrio, na flexibilidade, na postura e na consciência corporal. Isso reduz as chances de queda e os riscos de fratura”, explica Aline.
Os principais fatores de risco da osteoporose são o sedentarismo, o tabagismo, a genética, a falta de cálcio e a deficiência hormonal. Por isso, a prática do Pilates é recomendada mesmo antes da terceira idade, agindo de forma mais efetiva na prevenção. Os exercícios equilibram os músculos e melhoram o posicionamento corporal, além de contribuir para a oxigenação e aliviar a ansiedade e o estresse.
A professora Célia Moreira, de Niterói (RJ), tem 64 anos e um diagnóstico de osteoporose e osteopenia. Ela faz Pilates duas vezes por semana, há seis meses. “Meu ortopedista me recomendou o Pilates há anos, mas só agora resolvi fazer, por conta do tempo. Minha filha, que é atleta, me apresentou à Aline. Fiz uma aula experimental e nunca mais parei. Meu médico quer que eu aumente a frequência. Adoro!”, conta a aluna.
Os pacientes com osteoporose podem sentir dificuldades na hora do exercício físico, como dores nos joelhos, nos punhos e na coluna, em casos de deformidades ósseas. Porém, a fisioterapeuta garante que não há qualquer contra indicação para o Pilates na terceira idade. “O profissional responsável faz uma análise inicial, avaliando as condições de saúde do paciente, além de força, flexibilidade, suas limitações e qual a real necessidade de praticar uma atividade física”, afirma.
Os exercícios mais recomendados são aqueles de baixo impacto, para o fortalecimento dos membros inferiores e superiores e músculos estabilizadores da coluna. E os benefícios são visíveis. “Me sinto mais animada, mais bem disposta. Minhas costas não incomodam mais e estou mais ágil, rápida, com mais resistência. Minha postura também melhorou muito, o que foi importante porque tenho osteoporose na lombar. A professora enfatiza tanto a postura que você sai da aula levando isso para o dia a dia”, comenta a aluna Célia.
Além da osteoporose, outros problemas típicos da terceira idade, como a artrose e a artrite reumatóide, também são tratados com Pilates. A regra é fazer exercícios, se alimentar bem e ter disposição. “Você sente certa limitação, mas a dica é não se deixar abater. O corpo é uma máquina que você precisa colocar sempre em manutenção. Ou seja, ir sempre ao médico, se alimentar bem e fazer o que te faz feliz”. No dia internacional do idoso, fica a dica da Célia!

Manipulações torácicas no tratamento da dor cervical.


   A manipulação espinhal é uma das terapias mais frequentes utilizadas para o tratamento de disfunções cervicais. A técnica de manipulação cervical já foi amplamente estuda a fim de se avaliar sua eficácia no controle da dor local, com o reequilíbrio na sua biomecânica, bem como nas regiões adjacentes. Porém, pesquisas demonstram o risco de lesões da artéria vertebral após aplicação de manipulações neste segmento da coluna, tendendo ao abandono desta e substituição pela manipulação torácica, que apresenta resultados semelhantes e sem riscos. Essa escolha pela manipulação torácica é explicada pela relação anatômica, biomecânica e nervosa entre a coluna cervical e torácica, sendo que disfunções na mobilidade articular torácica podem promover alterações na coluna cervical, da mesma forma que essas podem repercutir em disfunções da ATM, por exemplo. Há uma relação neurológica da coluna torácica com a divisão simpática do sistema nervoso autônomo, sendo que os doze segmentos da medula espinhal torácica originam fibras nervosas simpáticas pré-ganglionares que saem por seus canais intervertebrais e fazem sinapse no gânglio simpático da cadeia lateral. Desse modo, a inervação simpática de todos os músculos e vísceras que se situam acima do diafragma se origina nos primeiros quatro ou cinco segmentos torácicos. Além disso, alguns estudos já relatam que os efeitos biomecânicos gerados pela manipulação em um segmento vertebral podem influenciar outros segmentos adjacentes. Efeitos esses comprovados através da avaliação da atividade eletromiográfica das estruturas adjacentes. Por isso, a coluna torácica é a região mais frequentemente manipulada na prática clínica, por apresentar inúmeros benefícios clínicos, tais como redução de dor, melhora das disfunções, postura e amplitude de movimento cervicais e benefícios nas disfunções do ombro e ATM. Existem evidências científicas na prática de manipulação torácica para resultados em curto prazo. Porém, alguns autores sugerem que um tratamento incompleto, ou seja, aplicação de uma única técnica isolada pode ser pior do que nenhum tratamento.


terça-feira, 24 de setembro de 2013

Exercícios five® aliviam a tensão e ajudam no ganho de mobilidade


Hoje é dia de falar de exercícios. Quem já pratica um esporte ou treinamento físico sabe que os músculos geralmente ficam tensos depois do treino. Quem trabalha o dia todo sentado também sente a tensão gerada pela posição e pela má postura.
Os exercícios do five®, um novo método apresentado recentemente no Brasil, ajudam a diminuir essa tensão, acrescentando o relaxamento e a liberação dos músculos ao treinamento físico – seja ele a musculação, o Pilates ou atividades de impacto. “O five® prolonga a cadeia anterior, diminuindo assim a tensão da cadeia posterior e a pressão da coluna, melhorando a mobilidade e normalizando a relação abdome e costas”, explica o fisioterapeuta Thiago Fonseca Abrahim, treinado pelos criadores do método na Alemanha.
Abrahim destaca que esse conceito de exercícios não utiliza a contração do “core”, mas movimentos livres com recrutamento natural dos músculos, prolongando as cadeias e minimizando a tensão abdominal. Os aparelhos facilitam esses movimentos, oferecendo mais conforto, segurança e correção aos exercícios. Pedimos ajuda ao fisioterapeuta para explicar que tipo de benefícios encontramos nesse novo método, com alguns exemplos de exercícios, começando pelo Hip Mover. É muito importante lembrar que este não é um treino de controle, mas de prolongamento das cadeias, portanto deve-se respirar normalmente e sem contração de nenhum músculo.
Hip Mover
Este aparelho é muito importante para o ganho de mobilidade do quadril, pelo prolongamento principalmente dos músculos ilíacos, ilio psoas, quádriceps e retos abdominais”, afirma Abrahim.
1. Ajuste a barra de contenção das pernas para a posição mais adequada. Quanto mais próxima do equipamento, mais intenso o exercício.
2. Sem deitar ou encostar totalmente no aparelho, cotovelos apoiados no aparelho, cabeça flexionada, queixo em direção ao peito, para um prolongamento da musculatura posterior do pescoço. Pernas e pés alinhados ao quadril, pressione levemente o dorso do pé contra o aparelho.
3.Faça o movimento de inclinação sem contrair os músculos. Esse movimento pode ser unilateral ou bilateral, dependendo do cliente. Com a melhora da estabilidade, as mãos podem ser posicionadas sobre as pernas, com os braços retos, sem o apoio dos cotovelos. 3 séries de 15 segundos. O instrutor lembra que pode haver tremor na hora do exercício, em virtude do recrutamento natural dos músculos estabilizadores.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Tratamentos - O que é a Quiropraxia?


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Quiropraxia é uma profissão da saúde que lida com o diagnostico, tratamento e a prevenção das desordens do sistema neuro-músculo-esquelético e dos efeitos destas desordens na saúde em geral. Há uma ênfase em técnicas manuais, incluindo o ajuste e/ou a manipulação articular, com um enfoque particular nas subluxações. Os conceitos e os princípios que distinguem e diferenciam a filosofia da Quiropraxia de outras profissões de saúde são de grande importância para a maioria dos quiropraxistas e influenciam profundamente a atitude e a abordagem destes em relação à atenção à saúde. A relação entre a estrutura, particularmente a coluna vertebral e o sistema músculo-esquelético, e a função, especialmente coordenadas pelo sistema nervoso, constitui a essência da Quiropraxia e o seu enfoque para a restauração e preservação da saúde. Hipoteticamente, conseqüências neurofisiológicas significativas podem ocorrer como resultado de distúrbios funcionais mecânicos da coluna vertebral, descritos pelos quiropraxistas através do termo subluxação ou complexo de subluxação. O exercício da Quiropraxia enfatiza o tratamento conservador do sistema neuro-músculo-esquelético, sem o uso de medicamentos e procedimentos cirúrgicos. Causas e conseqüências biopsicossociais também são fatores significativos na abordagem do paciente.


Aprenda mais sobre o torcicolo



O torcicolo muscular é causado por contrações musculares do pescoço, devido a fatores relacionados a postura incorreta. A pessoa apresenta crises de dor e diminuição da mobilidade do membro.A musculatura do pescoço possui vários músculos responsáveis pela sua mobilidade. O torcicolo afeta os músculos esternocleidomastoideo e o trapézio durante a má postura causada pela retração dos músculos da cabeça quando são submetidos ao excesso de trabalho quando ocorre rotação da cabeça para o lado oposto a contração. Isto ocorre frequentemente a noite devido ao travesseiro inadequado.No ambiente laboral devido a postura incorreta e fatores ergonômicos afetam diretamente a produtividade das pessoas que fazem parte deste ambiente.Movimentos brusco e inadequados também são agentes causadores.
O torcicolo congênito nada mais é do que a má postura do feto durante a vida intrauterina. Certas doenças congênitas como a hipotonia e a paralisia do cérebro também podem ocasionar um torcicolo.
Outros fatores, como estresse, obesidade e hábito de se manter em uma postura inadequada favorecem o torcicolo. Também é importante saber que fumar acelera a degeneração das vértebras cervicais. Além disso, lesões da coluna vertebral, como escoliose ou lordose e afecções ligadas ao dente do siso agravam esses riscos.Os sintomas mais comuns são a sensação de contração em um lado do pescoço e da posição viciosa da cabeça. Qualquer tentativa de mobilizar é impossível e dolorosa,podendo irradiar para as costas. Outros sintomas variam dependendo do tipo de torcicolo. O torcicolo geralmente surpreende a pessoa no período da manhã ao acordar. Isso ocorre devido à um movimento brusco ou mau posicionamento durante a noite.
O torcicolo espasmódico se manifesta sem causa aparente e se caracteriza por violentas e sucessivas contrações musculares, sendo estas associadas à dor e rigidez do pescoço. A cabeça se apresenta inclina lateralmente para o lado do espasmo muscular e depois vira para o lado oposto da contração.
Para o torcicolo sintomático, é indicativo de  doença subjacente. Na verdade, ele acompanha manifestações específicas de uma afecção como as vértebras.Quanto ao torcicolo congênito, ele aparece desde o nascimento. Também é crônica a dor. A palpação, o músculo em espasmo pode ter uma pequena tumefação do mesmo tamanho de uma azeitona.Basicamente o diagnostico clinico é traçado através de sinais específicos ou através da realização de  alguns exames com o propósito de identificar as doenças ou os fatores que possam ter originado o torcicolo. Na maioria dos casos o fisioterapeuta faz o uso de exames radiológicos  de sangue entre outros previamente prescrito pelo médico reumatologista.A apalpação muitas vezes é eficaz no auxilo a um diagnostico mais preciso. O torcicolo é geralmente benigno. No entanto, ele pode causar problema de insônia. Além disso, se não tratado, podem surgir complicações como anomalia permanente da coluna e hérnia de disco. Ele perturba o bom funcionamento do sistema nervoso causando dores de cabeça, problemas respiratórios, visuais ou auditivos. O tratamento da causa possível é essencial, e os sintomas incômodos devem ser eliminados. Para o torcicolo agudo, relaxar e colocar uma aplicação quente sobre a área dolorosa. O médico pode aconselhá-lo a tomar medicamentos que aliviam a dor e relaxam o pescoço. A terapia de casos crônicos pode exigir, além disso, técnicas e remédios mais especializados, mas devemos respeitar as doses prescritas pelo médico. A fisioterapia, osteopatia, quiropraxia, acupuntura também se mostraram úteis na resolução deste problema. Dependendo das circunstâncias, algumas pessoas precisam ser operadas. Em alguns casos, a inserção de um colar cervical ajuda a apoiar a sua cabeça. 

Consulte um médico se:
  •   O torcicolo for acompanhado de outros sintomas como febre, rinite e fraqueza dos braços e das pernas;
  •   A dor impedir você de dormir ou se permanecer por mais de 48 horas.

As dicas abaixo estão disponíveis para tratar o torcicolo:

  •  Descansar e usar gola alta para proteger contra o frio;
  •  Evite dormir em um colchão que é muito flexível e utilize um travesseiro adaptável;
  •  Coloque a manipulação do seu pescoço em especialistas de sua confiança;
  •  Consulte um médico para confirmar o diagnóstico e garantir sua cura.

Para prevenção:
  • Ponha-se em uma posição confortável e adaptada durante o sono;
  • Faça regularmente um relaxamento e alongamento do seu corpo;
  • Faça aquecimento antes de começar um esporte ou atividade que mobilize o pescoço.

Coluna vertebral - O que é hernia de disco


A coluna vertebral, também chamada de espinha dorsal, estende-se do crânio até a pelve. Ela é responsável por dois quintos do peso corporal total e é composta por tecido conjuntivo e por uma série de ossos, chamados vértebras, as quais estão sobrepostas em forma de uma coluna, daí o termo coluna vertebral. A coluna vertebral é constituída por 24 vértebras + sacro + cóccix e constitui, junto com a cabeça, esterno e costelas, o esqueleto axial. A função da coluna vertebral é protege a medula espinhal e os nervos espinhais,suporta o peso do corpo,fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça, exerce um papel importante na postura e locomoção,serve de ponto de fixação para as costelas, a cintura pélvica e os músculos do dorso, proporciona flexibilidade para o corpo, podendo fletir-se para frente, para trás e para os lados e ainda girar sobre seu eixo maior. Entre os corpos de duas vértebras adjacentes desde a segunda vértebra cervical até o sacro, existem discos intervertebrais. O disco intervertebral é uma placa cartilaginosa que forma uma almofada entre os corpos vertebrais. Após traumatismos (quedas, acidentes automobilísticos, esforços ao levantar, entre outros), a cartilagem pode ser lesada, comprimindo as terminações nervosas. Em qualquer local da coluna vertebral pode haver herniação discal. Herniação discal ou hernia de disco é a projeção da parte central do disco intervertebral (o núcleo pulposo) para além de seus limites normais no caso seria a parte externa do disco (ânulo fibroso). Ocorre geralmente póstero-lateralmente, em virtude da falta de ligamentos que sustentem o disco nessa região.Veja:

A hérnia de disco é em si a causa de várias dores, como dor ciática, ou até dor nas pernas, visto que, na hérnia de disco, o disco defeituoso pode pressionar e permanecer sobre um nervo.Em caso de um esforço muito grande e de má postura, a hérnia de disco pode aparecer quando a pressão é muito grande. Em geral, é ao nível dos discos 4 e 5 das vértebras lombares, e entre a quinta vértebra lombar e o sacro. Juntamente a hérnia de disco, pode se ter lombalgia e dor ciática, e uma rigidez das costas. As sequelas podem variar desde desvios ao andar, perda parcial dos movimentos até impotência sexual.Um histórico e exame físico cuidadoso é quase sempre o primeiro passo para diagnosticar a hérnia de disco. Dependendo de onde apresentar os sintomas, o médico examinará pescoço, ombros, braços e mãos ou a região lombar, quadris, pernas e pés.
O primeiro tratamento para a hérnia de disco é um período curto de repouso com medicamentos analgésicos, seguido por fisioterapia. A maioria das pessoas que segue esses tratamentos se recupera e retorna a suas atividades normais. Poucas pessoas precisarão de mais tratamento, que pode incluir injeções de esteroides ou cirurgia.As pessoas que sofreram um deslocamento de disco súbito causado por lesão (como um acidente de carro ou levantamento de objeto pesado) receberão medicamentos anti-inflamatórios (AINEs) e drogas analgésicas narcóticas se apresentarem dor forte nas costas e na perna.Os AINEs são usados para controlar a dor a longo prazo, mas podem ser receitados narcóticos caso a dor não responda aos anti-inflamatórios.As injeções de esteroides nas costas na região da hérnia de disco podem ajudar a controlar a dor por vários meses. Essas injeções ajudam a reduzir o inchaço ao redor do disco e a aliviar muitos sintomas. As injeções espinhais normalmente são aplicadas no consultório médico, usando raio X ou fluoroscopia para localizar a área onde a injeção é necessária.A cirurgia pode ser uma opção para os poucos pacientes cujos sintomas não desaparecem com outros tratamentos e ao longo do tempo.

Por: Luciano Pereira - Clinica Reabilita / Equipe do Blog

Senilidade - Hidroterapia na terceira idade.



O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial e a cada ano esse processo se torna maior nos países em desenvolvimento, podendo ocorrer um aumento de até 300% no número de pessoas idosas, especialmente na América Latina. Tendo-se em conta a expectativa de vida cada vez mais alta, vários estudos têm sido desenvolvidos de modo a contribuir para a melhoria da qualidade de vida do idoso.
Esses estudos evidenciam que exercícios físicos tem uma grande importância para obter esta tão desejada qualidade de vida. Em destaque está a hidroterapia, que vem sendo indicada e utilizada por médicos e fisioterapeutas em programas multidisciplinares de reabilitação, onde proporciona uma pratica de exercício segura.A Hidroterapia dispõem de vários fatores benéficos para o idoso. Na piscina, o calor da água que circunda a articulação alivia a dor e relaxa a musculatura. A flutuação também proporciona a diminuição do impacto sobre articulações, assim a limitação dos movimentos e a rigidez articular são reduzidas devido ao alívio da dor e a sustentação das articulações, durante a movimentação.Desta forma evidenciamos que a Hidroterapia é indicada, e assume um dos papeis fundamentais para ajudar o idoso a obter um envelhecimento com qualidade de vida e maior capacidade funcional.

Por:  Chrístian Friedrich Aozani
    Fisioterapeuta / Clínica Reabilita.